20 de jan de 2009

Espelho Côncavo - Eron Murta


Espelho Côncavo

Estava imaginando um mundo com o homem aranha,
Sem morte, sem violência,
Apenas com benevolência,
Onde todos se dão bem até aparecer a falsa aparência.

Estou vendo um mundo de correria,
Carros fugindo, carros perseguindo e
Escutando balas rugindo,
São os bandidos da falsa aparência
Que estão tentando acabar com minha inteligência.

GATE, GEPAR, BOPE, PMs, quem são?
Os BANDIDOS da nova geração?
Balas perfurando meu crânio,
Estou afundando no meu sangue,
Ainda vivo, vejo que o mundo é um grande engano.

Agora vejo meu corpo de longe,
Todos em volta, fui vencido,
Então pergunto a Deus:
Quem é réu e quem é bandido?


Eron Murta