29 de ago de 2009

Os verdadeiros revolucionários se apresentam...



...Ferréz, Eduardo e Sérgio Vaz (...)

Salve familia!

Vou colocar aqui uma parte do texto retirado do blog do Ferréz.

Por Ferréz:

Favela Olga Benário

Hoje acordei as 7 da manhã, fui dormir ontem as 3, daqui a pouco o Eduardo cola pra gente levar mais coberta e fazer um sacolão pras pessoas.
Tá foda, se mais gente ajudasse, seria mais fácil, mas prometi que não ia ficar pensando nisso, agir, por menor que seja cada um de nós, agir é o caminho.
Dá hora o time que montamos, o bang do bem como dissemos. Hoje o helicóptero voltou de madrugada, dezenas de famílias ficaram com suas coisas durante a noite, beirando o córrego amontoram as coisas e ficaram no sereno, uma mulher me perguntou se depois a mídia ou os polícia ia levar eles pra algum lugar, eu engoli seco e não consegui responder, ela entendeu, pois o silêncio também é uma resposta.
Não tiveram pra onde ir, ninguém veio buscar. Entre uma conversa e outra, um vacilão falando que tinha muito oportinista na favela, muito cara que pegou casa sem precisar, pois já tinha seu barraco, logo foi calado pela multidão que beirava o córrego, com gritos um tiozinho chegou e falou que ninguém tava brincando de ter lucro ali não, que ninguém tava fingindo que precisava morar, que ele havia perdido tudo pro trator.
Num era difícil constatar isso, quem mora em torno da desapropriação tá ligado, centenas de pessoas procurando casa pra alugar, gente com imensas trouxas nas ruas, fogões, geladeiras, restos de móveis.
Eu num guentei mais, num vou mentir, fiquei malzão e sai pra pensar em outra coisa, não queria ver mais tanta lágrima.
um amigo viu minha revolta, disse que as outras pessoas em volta não se preocupam, pois não é a favela delas, eu fico pensando, será que só a nossa dor tem valor? será que a dor dos outros não conta?
uma rua abaixo e parece que não aconteceu nada, tudo suave, como se fosse com outro povo aquela treta toda.

Para acompanhar a matéria completa, CLIQUE AQUI





Esses três são sem comentários, mas podemos comentar sobre esse gesto de altruísmo. Muitos só falam, muitos só criticam, muitos só reclamam (...) mas são poucos os que fazem, esse gesto é de se respeitar/admirar, mas melhor ainda seria se todos seguissem esse gesto. Existe muitas pessoas que precisam de ajuda, só precisamos achar os que estão dispostos a ajudar. Quem for de São Paulo, honre o Rap, Rap Nacional não é só você escutar um som e dizer "Esse é bom, é da favela", ser da favela é muito mais que escutar ou fazer som, é agir, é colocar a mão na massa, é ajudar seu semelhante. Quando você olhar em volta verás que a dificuldade é maior do que olhar pra frente, então, não pense só em você, olhe pros lados, ajude a quem precisa.
Para quem não tem como ir até o local, faremos o possível aqui para realização de algo para que pessoas de outros estados também colabore. Unidos nós podemos fazer muito.
Tentaremos fazer o possível para que todos (Quem realmente for um dos nossos) possam ajudar também nessa causa.

Paz a quem merece